500 Anos da Reforma (4)
  • img-book

    A chama inextinguível por: Michael Reeves R$47,90

    “O FOGO QUE O MUNDO INTEIRO JAMAIS SERÁ CAPAZ  DE EXTINGUIR”

    Assim o teólogo Richard Sibbes descreveu a paixão espiritual que Deus acendeu por meio de Martinho Lutero no ilustre alvorecer da Reforma Protestante.

    A chama inextinguível, uma introdução muito acessível à Reforma, traz vida às personagens mais pitorescas do movimento — Lutero, Ulrico Zuínglio, João Calvino, os puritanos — e examina suas ideias, mostrando a relevância profunda e pessoal do pensamento da Reforma para os cristãos dos nossos dias. Também estão inclusos uma linha do tempo detalhada da Reforma, um mapa com as localidades principais, várias ilustrações e sugestões de leitura.

  • img-book

    Cartas a um jovem calvinista por: James K. A. Smith R$38,90

    Meu amigo Jamie Smith nunca é entediante. Na maioria das vezes exclamei “amém” enquanto lia as cartas. Mas mesmo quando discordei, apreciei o modo humilde, caridoso e, ao mesmo tempo, convicto de Jamie. E, em meio a toda a energia encorajadora do movimento do “novo calvinismo”, é importante dizer que ser reformado é mais que aderir ao TULIP. Essas são cartas recompensadoras e criativas para todos nós.

    ― Michael Horton
    Professor de Teologia, cadeira J. Gresham Machen
    Westminster Seminary California

    Há vários livros por aí que descrevem a teologia reformada e convidam as pessoas a se tornarem parte da tradição reformada. Entretanto, muitos desses livros são produtos dos anos anteriores ao advento dessa jovem e inquieta realidade reformada muito popular na atualidade. A maioria deles é anterior ao novo calvinismo. Cartas a um jovem calvinista, por James K. A. Smith, é novo para o campo e muito distinto do restante. Trata-se de um dos poucos livros que falam diretamente com esse novo e inquieto movimento reformado. Escrito como se fossem cartas de um mentor ao aprendiz, que está investigando a teologia reformada, o livro oferece 125 cativantes páginas introdutórias à tradição e a seu funcionamento na vida real.

    ― Tim Challies
    Autor de Discernimento Espiritual

  • img-book

    O Imperativo Confessional por: Carl Trueman R$54,90

    “Embora isto talvez soe como um clichê em uma recomendação, este é um livro que eu adoraria ter escrito! A defesa de Carl Trueman do que ele chama ‘imperativo confessional’ da fé cristã é precisa. Trueman não apenas identifica, mas também habilmente responde a uma série de objeções tradicionais e mais recentes na cultura contemporânea contra os credos e as confissões. Ele mostra a insustentabilidade da posição ‘nenhum credo além de Cristo; nenhum livro além da Bíblia’ de muitos cristãos evangélicos, e defende o uso de credos e confissões que sumarizam e protegem o ensino da Escritura sem suplementar ou diminuir sua autoridade.”

    — Cornelis P. Venema

  • Promoção!
    img-book

    Pierre Viret – O gigante esquecido da reforma por: Jean-Marc Berthoud R$43,90 R$35,90

    Uma das coisas mais emocionantes do tempo em que vivemos é a capacidade de empreender a “arqueologia teológica” — a recuperação das obras de homens prolíficos em sua geração, mas que não são lembrados por nós como deveriam. Dentre eles, na linha de frente deveria se encontrar Pierre Viret.

    — Douglas Wilson, Christ Church

    Este reformador injustamente negligenciado é celebrado de forma maravilhosa por Jean-Marc Berthoud, que dedicou grande parte de sua vida a estudá-lo. Sem Viret, Calvino não teria sido o que foi. Mesmo sem ser “teonomista”, a atenção dada por Viret à lei de Deus é muito necessária em nossos dias.
    Endosso o livro de coração.

    — William Edgar, Westminster Theological Seminary

    “Trata-se de um feliz encontro quando Pierre Viret, o reformador suíço do século XVI, e Jean-Marc Berthoud, o erudito suíço do século XXI, são encontrados no mesmo lugar! Viret foi um amigo influente e colega de ministério de João Calvino. Ele fundou a academia que se tornou uma universidade mundialmente famosa, e foi um grande pregador evangelístico e expoente da fé reformada. Escreveu um conjunto enorme de obras teológicas, que só agora estão sendo reimpressas na Suíça. Elas são marcadas pela praticidade incisiva e grande amplitude de aplicação. Por exemplo, seu ensino sobre economia tem uma qualidade atualizada sobre o tema, e fornece diretrizes claras para questões pessoais e governamentais que ainda se nos apresentam. Sua exposição de “O que é o homem?” talvez seja a mais notável entre todos os eruditos da Reforma do século XVI na forma como versa sobre a psicologia e a experiência corporal. Ele não tem o que mais tarde veio a ser conhecido como reserva “vitoriana”!

    E ninguém poderia estar mais qualificado a trazer o rico ensino de Viret para o século XXI que o notável erudito e autor de Lausanne, Jean-Marc Berthoud. Jean-Marc é um dos pensadores mais eruditos que já conheci. Ele conhece bem os escritos do passado (literatura patrística, medieval, reformada e puritana), a ortodoxia oriental bem como as tradições católicas e protestantes ocidentais, e está alerta a todos os principais problemas do mundo ocidental posteriores ao Iluminismo. Seu modo de ver as coisas fez com que perdesse muitos amigos, mas o fez ganhar muitos outros! De Agostinho a Lombardo, passando por Aquino, e então Calvino, Viret e Knox; dos puritanos ingleses do século XVII, ao longo do secularismo de Descartes, Hume e Kant, e então Harnack, Barth e Brunner, Jean-Marc pavimenta nossa senda do entendimento. Ele estuda os movimentos econômicos e políticos direcionados pelos bancos centrais e outros, sempre buscando dispersar a escuridão dos nossos olhos para que possamos ver a razão de as coisas serem como são, e mais importante: para onde devemos ir. Nesse ponto Berthoud e Viret estão sempre de acordo: a lei de Deus e o Evangelho pavimentam nosso caminho, e segui-lo significa encontrar clareza mental e cura de espírito, resultando no bem-estar do corpo político.

    Leia esta breve obra com atenção; prevejo que você a recomendará a muitos outros, e voltará a ela vez por outra como um tipo de vade-mécum.”

    — Douglas F. Kelly, Reformed Theological Seminary